O Tesouro-Museu da Sé de Braga

As colecções do Tesouro-Museu da Sé de Braga testemunham, no seu conjunto, mais de XV séculos da história da Arte e da vida da Igreja em Braga.

Detém um valioso acervo constituído pelas colecções de Ourivesaria, Escultura, Pintura, Têxtil, Mobiliário, Cerâmica, assim como, todo um conjunto de objectos ligados ao culto católico.

A Exposição Permanente, Raízes de Eternidade. Jesus Cristo – Uma Igreja, consagrada à arte sacra, permite, através dos diferentes núcleos, revisitar a vida de Jesus Cristo e a história da Igreja em Braga. Esta é contada tomando como referência alguns arcebispos, desde o século V até ao século XX. A narração é complementada com os núcleos dedicados à paramentaria e ourivesaria.

25 de Janeiro – Cantares dos Reis na Catedral de Braga

Cantar os Reis e as Janeiras é uma antiga tradição portuguesa que pretende celebrar o nascimento de Jesus.  Este é um costume que decorre ao longo do mês de Janeiro e reúne grupos de pessoas que nas cidades percorrem as ruas, e nas aldeias, porta a porta, vão cantando músicas de louvor ao Menino Jesus, a Maria e a José.

Com o sentido de perpetuar esta memória, o Tesouro-Museu da Sé de Braga e as Escolas EB da Sé, EB das Parretas e JI Quinta das Hortas organizam, pela primeira vez, O Cantar de Reis na Catedral. Na iniciativa apresentar-se-ão os alunos dos três estabelecimentos de educação e ensino.

Este ano o encontro terá lugar na Sé de Braga, no dia 25 de Janeiro (6ª feira), pelas 10h30.

6 de Janeiro - Dia de Reis ou Epifania do Senhor

Tríptico da Adoração dos Reis Magos - Tesouro-Museu da Sé de Braga

Santo Agostinho, um dos mais conhecidos doutores da Igreja, refere nos seus escritos que Epifania é uma palavra de origem grega que significa ‘manifestação’. Através dos Reis Magos, o Menino-Deus revelou-se a todos os homens. Doze dias depois do nascimento celebra-se, a 6 de Janeiro, a festa religiosa cristã que comemora esta manifestação – Dia de Reis. É uma das mais antigas comemorações cristãs, tal como a Ressurreição de Nosso Senhor.

A Adoração dos Reis Magos apenas é descrita no Evangelho de S. Mateus: “Tendo Jesus nascido em Belém da Judeia, no tempo do rei Herodes, chegaram a Jerusalém uns Magos vindos do Oriente” (Mt 2, 1).

O tríptico aberto apresenta-nos a representação artística da Adoração dos Reis Magos. O painel central é composto pela Virgem Maria que segura o Menino desnudo sobre os joelhos. O mais velho dos magos, que beija os pés de Jesus, está ajoelhado à direita da Sagrada Família. S. José, um pouco retirado, observa a cena.

No painel da direita encontra-se o rei mago de meia-idade, segura com as duas mãos um recipiente. No outro painel, o rei mouro, de perfil, aguarda a sua vez de chegar junto de Jesus.

Nos textos apócrifos refere-se que os três reis, ou, os três sábios simbolizam os três continentes, assim como, as três idades da vida. O rei que vem do Oriente é o mais velho, o que representa a Europa é de meia-idade, enquanto o mais jovem, representa a o continente africano. Como é conhecido os reis ofereceram ouro, incenso e mirra. Os teólogos atribuíram um significado simbólico às ofertas. O ouro era uma homenagem à realeza de Cristo, o incenso a sua divindade e a mirra, que servia para embalsamar os cadáveres, significa que estava destinado a morrer para salvar a humanidade.

Em meados do século IX, os nomes de Gaspar, Belchior e Baltazar aparecem pela primeira vez no Liber Pontificalis de Ravena.

Este tríptico é executado em madeira e marfim. Todavia o que surpreende são as cores vivas com que foi pintado. Desconhece-se a história deste tríptico. Sabemos, apenas, que terá sido adquirido e integrado as colecções do Museu na década de 90 do século XX.

25 de Dezembro - Dia de Natal

Presépio (séc. XVIII) Tesouro-Museu da Sé de Braga

A ideia de presépio tal como ainda hoje a concebemos chegou-nos através de S. Francisco de Assis. Acredita-se que foi S. Francisco de Assis que fez o primeiro presépio, em Greccio, Itália, no ano de 1223.

Todo o imaginário associado ao Presépio ajuda-nos a meditar sobre este momento da vida de Jesus e qual o seu significado nos nossos dias. Quando o contemplamos ligamo-nos a essa história retratada nos Evangelhos de S. Lucas e S. Mateus.

Cuidadosamente conservado no Tesouro-Museu da Sé de Braga, este presépio é atribuído, segundo a tradição, à Escola de Machado de Castro, escultor bem conhecido pela execução de presépios setecentistas. A peça apresenta-se inserida numa maquineta cujo núcleo central é a pequena gruta onde, há dois mil anos, Jesus Cristo nasceu. O conjunto surge como um cenário num palco onde são apresentadas diversas figuras que preenchem toda a composição do presépio. Aqui identificamos as imagens mais tradicionais dos núcleos da natividade em Portugal – A Adoração da Sagrada Família, os Anjos, os Pastores e os Reis Magos. Curiosamente, vemos ainda, os Reis Magos a deslocarem-se para conhecer o Menino Deus que lhes tinha sido anunciado. A par da narrativa religiosa é apresentado um conjunto de figuras - as camponesas, caçadores, a pastora, os músicos -, entre outras, a exercerem a sua atividade quotidiana.

Imaculada Conceição Séc. XX Escultura de madeira de buxo. Base de madeira de castanho. Resplendor de metal dourado. TMSB 0151 ESC

IMACULADA CONCEIÇÃO DA VIRGEM SANTA MARIA

8 de Dezembro

Neste dia celebra-se a festa religiosa da Imaculada Conceição. É uma data de grande significado para a Igreja Católica. A Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria é uma distinção segundo a qual, em virtude de um privilégio excepcional, a Virgem Maria nasceu preservada do pecado original. Esta verdade foi-se impondo à Igreja ao longo dos séculos.

O dogma da Imaculada Conceição foi proclamado por Pio IX na Bula Inneffabilis Deus de 8 de dezembro de 1854.  

Padroeira principal de Portugal e das Dioceses de Évora, Santarém, Setúbal e Vila Real.

Em 25 de março de 1646, o rei D. João IV para agradecer a Nossa Senhora a Restauração da Independência de Portugal em relação a Espanha, declarou-a padroeira e rainha de Portugal. Desde este dia, mais nenhum rei português usou coroa na cabeça, privilégio que estaria disponível apenas para a Imaculada Conceição.

Na Catedral os serviços religiosos, para este dia, são os seguintes:

08h30 – Missa
11h30 – Missa
17h30 - Missa

 

S. Geraldo e o Milagre da Fruta

Representação Teatral

O Tesouro-Museu da Sé de Braga, em colaboração com a Escola EB1 da Sé, organiza, mais uma vez, a representação da peça “S. Geraldo e o Milagre da Fruta”. Esta actividade, além do seu interesse educativo, dá a conhecer uma lenda com longa tradição na Catedral de Braga.

Como é costume a Capela de S. Geraldo estará aberta ao público mostrando o magnífico retábulo ornamentado com a fruta da época, uma alusão ao suposto milagre de S. Geraldo.

O Tesouro-Museu da Sé de Braga convida todas as escolas e a comunidade em geral a participarem nesta iniciativa que se realizará na Sé de Braga, no dia 5 de Dezembro (4ª feira), pelas 10h30.

V Volume FASTOS EPISCOPAES DA IGREJA PRIMACIAL DE BRAGA

No dia 5 de Dezembro, às 16h30, na Sacristia-Mor da Sé de Braga, terá lugar o lançamento do V volume dos FASTOS EPISCOPAES DA IGREJA PRIMACIAL DE BRAGA, da autoria do Cónego José Paulo Leite de Abreu. O livro será apresentado pelo Prof. Doutor José Marques.

ADVENTO

A palavra advento deriva do latim adventus, que significa chegada, mas também tempo de preparação para a solenidade do Natal.

O tempo do advento começa no 4 domingo antes do Natal e marca o início do novo ano litúrgico que este ano se inicia no domingo, dia 2 de dezembro.

Na Catedral os serviços religiosos, para este dia, são os seguintes:

08h30 – Missa
11h30 – Missa
18h00 - Missa
 

Poesia têxtil veste D. José Tolentino Mendonça: Sobre a criação da paramentaria

Tudo tem uma inspiração, um sentido. Quase tudo tem um caminho. Hoje sugerimos-lhe uma viagem que resultou numa história contada no belíssimo texto da autoria do Cónego Joaquim Félix “Poesia têxtil veste D. José Tolentino Mendonça: Sobre a criação da paramentaria”.

Como empreender esta viagem? Lembraremos, ainda, a recomendação assinalada em relação aos paramentos a criar: «Atenção, desejaria algo que, sempre em linhas contemporâneas, nasça a partir da Tradição». Foi por este sentido que prosseguimos.

O tempo era escasso para criar. Da eleição à ordenação, tão poucos dias a urgir o esplendor. Estudar séculos de paramentaria obrigava, em todo o caso, a uma imperiosa detenção. Assim, sem hesitações, avançámos para o Tesouro Museu da Sé de Braga.

Saber mais

Visita Singular

Ciclo de visitas orientadas no âmbito da Rota das Catedrais a Norte

Música e Poesia invadem Catedrais do Norte Música, poesia e outros elementos surpresa fazem parte do programa do Ciclo de Visitas Orientadas que a Direção Regional de Cultura do Norte promove.

Saber mais

Sé de Braga celebra o Corpo de Deus com três eucaristias

A Sé de Braga comemora, a 15 de Junho, a solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Jesus. Durante a manhã, serão celebradas eucaristias na Catedral, às 8h30 e às 11h30. No período da tarde, a Eucaristia na Catedral antecipa-se para as 17h00.

Vestígios arqueológicos da Sé de Braga

Quarteirão romano do mercado, localizado na cripta da Catedral bracarense.


Endereço

  • Catedral de Braga
    Rua D. Paio Mendes
    4700-424 Braga

Catedral de Braga

Horário Visitas

  • 09h30 – 12h30
    14h30 – 17h30 (18h30 no Verão)

Horário Catedral

  • 08h00-18h30 (Outubro-Março)
    08h00-19h00 (Abril-Setembro)

© Sé de Braga.
Todos os direitos reservados