O Tesouro-Museu da Sé de Braga

As colecções do Tesouro-Museu da Sé de Braga testemunham, no seu conjunto, mais de XV séculos da história da Arte e da vida da Igreja em Braga.

Detém um valioso acervo constituído pelas colecções de Ourivesaria, Escultura, Pintura, Têxtil, Mobiliário, Cerâmica, assim como, todo um conjunto de objectos ligados ao culto católico.

A Exposição Permanente, Raízes de Eternidade. Jesus Cristo – Uma Igreja, consagrada à arte sacra, permite, através dos diferentes núcleos, revisitar a vida de Jesus Cristo e a história da Igreja em Braga. Esta é contada tomando como referência alguns arcebispos, desde o século V até ao século XX. A narração é complementada com os núcleos dedicados à paramentaria e ourivesaria.

EXPOSIÇÃO REDEMPTOR HOMINIS - Artesanato de Barcelos da autoria de Luísa Gomes Pereira

O Tesouro-Museu da Sé de Braga expõe a partir do dia 28 de Março até 28 de Abril um conjunto de peças de Luísa Gomes Pereira. As peças que nascem das mãos desta artesã são modeladas em pasta de papel e trabalhadas com materiais reciclados. Tendo por base o figurado de Barcelos, o seu trabalho, inspirado nas tradições populares e religiosas do nosso país, apresenta um estilo inconfundível e inovador, uma simbiose perfeita entre a arte e a reciclagem.

O Tesouro-Museu acolherá esta exposição de 28 de Março a 28 de Abril. Poderá ser visitada de Segunda-feira a Sábado, no período da manhã entre as 09h30 e as 13h00, e no período da tarde das 14h30 e as 18h30. O acesso à exposição é feito a partir da Loja do Tesouro-Museu, situada na Rua D. Diogo de Sousa, nº 114.

25 de Janeiro – Cantares dos Reis na Catedral de Braga

Cantar os Reis e as Janeiras é uma antiga tradição portuguesa que pretende celebrar o nascimento de Jesus.  Este é um costume que decorre ao longo do mês de Janeiro e reúne grupos de pessoas que nas cidades percorrem as ruas, e nas aldeias, porta a porta, vão cantando músicas de louvor ao Menino Jesus, a Maria e a José.

Com o sentido de perpetuar esta memória, o Tesouro-Museu da Sé de Braga e as Escolas EB da Sé, EB das Parretas e JI Quinta das Hortas organizam, pela primeira vez, O Cantar de Reis na Catedral. Na iniciativa apresentar-se-ão os alunos dos três estabelecimentos de educação e ensino.

Este ano o encontro terá lugar na Sé de Braga, no dia 25 de Janeiro (6ª feira), pelas 10h30.

6 de Janeiro - Dia de Reis ou Epifania do Senhor

Tríptico da Adoração dos Reis Magos - Tesouro-Museu da Sé de Braga

Santo Agostinho, um dos mais conhecidos doutores da Igreja, refere nos seus escritos que Epifania é uma palavra de origem grega que significa ‘manifestação’. Através dos Reis Magos, o Menino-Deus revelou-se a todos os homens. Doze dias depois do nascimento celebra-se, a 6 de Janeiro, a festa religiosa cristã que comemora esta manifestação – Dia de Reis. É uma das mais antigas comemorações cristãs, tal como a Ressurreição de Nosso Senhor.

A Adoração dos Reis Magos apenas é descrita no Evangelho de S. Mateus: “Tendo Jesus nascido em Belém da Judeia, no tempo do rei Herodes, chegaram a Jerusalém uns Magos vindos do Oriente” (Mt 2, 1).

O tríptico aberto apresenta-nos a representação artística da Adoração dos Reis Magos. O painel central é composto pela Virgem Maria que segura o Menino desnudo sobre os joelhos. O mais velho dos magos, que beija os pés de Jesus, está ajoelhado à direita da Sagrada Família. S. José, um pouco retirado, observa a cena.

No painel da direita encontra-se o rei mago de meia-idade, segura com as duas mãos um recipiente. No outro painel, o rei mouro, de perfil, aguarda a sua vez de chegar junto de Jesus.

Nos textos apócrifos refere-se que os três reis, ou, os três sábios simbolizam os três continentes, assim como, as três idades da vida. O rei que vem do Oriente é o mais velho, o que representa a Europa é de meia-idade, enquanto o mais jovem, representa a o continente africano. Como é conhecido os reis ofereceram ouro, incenso e mirra. Os teólogos atribuíram um significado simbólico às ofertas. O ouro era uma homenagem à realeza de Cristo, o incenso a sua divindade e a mirra, que servia para embalsamar os cadáveres, significa que estava destinado a morrer para salvar a humanidade.

Em meados do século IX, os nomes de Gaspar, Belchior e Baltazar aparecem pela primeira vez no Liber Pontificalis de Ravena.

Este tríptico é executado em madeira e marfim. Todavia o que surpreende são as cores vivas com que foi pintado. Desconhece-se a história deste tríptico. Sabemos, apenas, que terá sido adquirido e integrado as colecções do Museu na década de 90 do século XX.

25 de Dezembro - Dia de Natal

Presépio (séc. XVIII) Tesouro-Museu da Sé de Braga

A ideia de presépio tal como ainda hoje a concebemos chegou-nos através de S. Francisco de Assis. Acredita-se que foi S. Francisco de Assis que fez o primeiro presépio, em Greccio, Itália, no ano de 1223.

Todo o imaginário associado ao Presépio ajuda-nos a meditar sobre este momento da vida de Jesus e qual o seu significado nos nossos dias. Quando o contemplamos ligamo-nos a essa história retratada nos Evangelhos de S. Lucas e S. Mateus.

Cuidadosamente conservado no Tesouro-Museu da Sé de Braga, este presépio é atribuído, segundo a tradição, à Escola de Machado de Castro, escultor bem conhecido pela execução de presépios setecentistas. A peça apresenta-se inserida numa maquineta cujo núcleo central é a pequena gruta onde, há dois mil anos, Jesus Cristo nasceu. O conjunto surge como um cenário num palco onde são apresentadas diversas figuras que preenchem toda a composição do presépio. Aqui identificamos as imagens mais tradicionais dos núcleos da natividade em Portugal – A Adoração da Sagrada Família, os Anjos, os Pastores e os Reis Magos. Curiosamente, vemos ainda, os Reis Magos a deslocarem-se para conhecer o Menino Deus que lhes tinha sido anunciado. A par da narrativa religiosa é apresentado um conjunto de figuras - as camponesas, caçadores, a pastora, os músicos -, entre outras, a exercerem a sua atividade quotidiana.

Imaculada Conceição Séc. XX Escultura de madeira de buxo. Base de madeira de castanho. Resplendor de metal dourado. TMSB 0151 ESC

IMACULADA CONCEIÇÃO DA VIRGEM SANTA MARIA

8 de Dezembro

Neste dia celebra-se a festa religiosa da Imaculada Conceição. É uma data de grande significado para a Igreja Católica. A Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria é uma distinção segundo a qual, em virtude de um privilégio excepcional, a Virgem Maria nasceu preservada do pecado original. Esta verdade foi-se impondo à Igreja ao longo dos séculos.

O dogma da Imaculada Conceição foi proclamado por Pio IX na Bula Inneffabilis Deus de 8 de dezembro de 1854.  

Padroeira principal de Portugal e das Dioceses de Évora, Santarém, Setúbal e Vila Real.

Em 25 de março de 1646, o rei D. João IV para agradecer a Nossa Senhora a Restauração da Independência de Portugal em relação a Espanha, declarou-a padroeira e rainha de Portugal. Desde este dia, mais nenhum rei português usou coroa na cabeça, privilégio que estaria disponível apenas para a Imaculada Conceição.

Na Catedral os serviços religiosos, para este dia, são os seguintes:

08h30 – Missa
11h30 – Missa
17h30 - Missa

 

S. Geraldo e o Milagre da Fruta

Representação Teatral

O Tesouro-Museu da Sé de Braga, em colaboração com a Escola EB1 da Sé, organiza, mais uma vez, a representação da peça “S. Geraldo e o Milagre da Fruta”. Esta actividade, além do seu interesse educativo, dá a conhecer uma lenda com longa tradição na Catedral de Braga.

Como é costume a Capela de S. Geraldo estará aberta ao público mostrando o magnífico retábulo ornamentado com a fruta da época, uma alusão ao suposto milagre de S. Geraldo.

O Tesouro-Museu da Sé de Braga convida todas as escolas e a comunidade em geral a participarem nesta iniciativa que se realizará na Sé de Braga, no dia 5 de Dezembro (4ª feira), pelas 10h30.

V Volume FASTOS EPISCOPAES DA IGREJA PRIMACIAL DE BRAGA

No dia 5 de Dezembro, às 16h30, na Sacristia-Mor da Sé de Braga, terá lugar o lançamento do V volume dos FASTOS EPISCOPAES DA IGREJA PRIMACIAL DE BRAGA, da autoria do Cónego José Paulo Leite de Abreu. O livro será apresentado pelo Prof. Doutor José Marques.

ADVENTO

A palavra advento deriva do latim adventus, que significa chegada, mas também tempo de preparação para a solenidade do Natal.

O tempo do advento começa no 4 domingo antes do Natal e marca o início do novo ano litúrgico que este ano se inicia no domingo, dia 2 de dezembro.

Na Catedral os serviços religiosos, para este dia, são os seguintes:

08h30 – Missa
11h30 – Missa
18h00 - Missa
 

Poesia têxtil veste D. José Tolentino Mendonça: Sobre a criação da paramentaria

Tudo tem uma inspiração, um sentido. Quase tudo tem um caminho. Hoje sugerimos-lhe uma viagem que resultou numa história contada no belíssimo texto da autoria do Cónego Joaquim Félix “Poesia têxtil veste D. José Tolentino Mendonça: Sobre a criação da paramentaria”.

Como empreender esta viagem? Lembraremos, ainda, a recomendação assinalada em relação aos paramentos a criar: «Atenção, desejaria algo que, sempre em linhas contemporâneas, nasça a partir da Tradição». Foi por este sentido que prosseguimos.

O tempo era escasso para criar. Da eleição à ordenação, tão poucos dias a urgir o esplendor. Estudar séculos de paramentaria obrigava, em todo o caso, a uma imperiosa detenção. Assim, sem hesitações, avançámos para o Tesouro Museu da Sé de Braga.

Saber mais

Visita Singular

Ciclo de visitas orientadas no âmbito da Rota das Catedrais a Norte

Música e Poesia invadem Catedrais do Norte Música, poesia e outros elementos surpresa fazem parte do programa do Ciclo de Visitas Orientadas que a Direção Regional de Cultura do Norte promove.

Saber mais

Sé de Braga celebra o Corpo de Deus com três eucaristias

A Sé de Braga comemora, a 15 de Junho, a solenidade do Santíssimo Corpo e Sangue de Jesus. Durante a manhã, serão celebradas eucaristias na Catedral, às 8h30 e às 11h30. No período da tarde, a Eucaristia na Catedral antecipa-se para as 17h00.

Vestígios arqueológicos da Sé de Braga

Quarteirão romano do mercado, localizado na cripta da Catedral bracarense.


Endereço

  • Catedral de Braga
    Rua D. Paio Mendes
    4700-424 Braga

Catedral de Braga

Horário Visitas

  • 09h30 – 12h30
    14h30 – 17h30 (18h30 no Verão)

Horário Catedral

  • 08h00-18h30 (Outubro-Março)
    08h00-19h00 (Abril-Setembro)

© Sé de Braga.
Todos os direitos reservados